Histórico

– HISTÓRICO –

O Grupo Teatro Empório (GTE) estreou em 2003, com a peça “Quase Famosos”. Depois, em 2006, realizou o espetáculo “O amor em muito mais que preto e branco” que obteve o Prêmio de Melhor Espetáculo pelo Júri Popular no VII Festival Nacional de Teatro de Guaçuí/ ES.

Em maio de 2009, após longa pesquisa prática e teórica, acerca do teatro musical, o GTE estreou o espetáculo “Boulevard 83” com dramaturgia e encenação de Leandro Bacellar e composições originais do pianista Elenísio Rodrigues. No mesmo ano, o espetáculo participou do Projeto Luzes e Aplausos (SESI/ES) e do Festival Nacional de Teatro – Cidade de Vitória, não havendo competição em nenhum dos dois eventos. O espetáculo recebeu cinco indicações ao Prêmio Omelete Marginal, nas categorias espetáculo, direção ,ator (Leandro Bacellar), atriz (Nívia Terra), e revelação de teatro, conquistando o Prêmio de Melhor Espetáculo. Ainda em 2009 no FENACO – Festival Nacional de Teatro de Comédia de Alegre/ES, “Boulevard 83” foi premiado em primeiro lugar nas categorias Cenário, Figurino, Trilha Sonora, Direção e Espetáculo.

O dramaturgo e diretor do GTE foi contemplado no Concurso Capixaba de Dramaturgia/ Laboratório de Textos Teatrais com o texto “Rosa Negra”, e passou pelo crivo e colaboração dos curadores José Renato Pécora, Alcione Araújo e João das Neves. O espetáculo estreou em 2010 no Teatro Galpão, Vitória-ES. Em 2012,  foi a vez do diretor Zé Henrique de Paula do Núcleo Experimental (SP) participar do processo de residência do grupo e o resultado foi o espetáculo “Uma Carta Para Alice com texto e direção de Leandro Bacellar.

Em 2015, o Grupo Teatro Empório estreou o espetáculo “Romantic”, como resultado de uma pesquisa com supervisão de Fernando Mello da Costa, direção e dramaturgia de Leandro Bacellar. No ano de 2016, estreou o espetáculo Bandida, com texto e direção de Leandro Bacellar.

Com colaboração de Marco André Nunes, Miwá Yanagizawa e Liliane Rovaris, Leandro Bacellar, propôs um projeto de pesquisa e encenação sobre os suicídios em pontes, o resultado é o espetáculo “Cidade/Abismo” com texto e direção de Leandro Bacellar.